PRIVILÉGIO

STF INDEFERE AÇÃO DO SINJUS E MANTÉM AUXÍLIO-MORADIA

segunda-feira, 11/12/17 17:12

Em mais uma decisão que escancara o desrespeito ao teto constitucional, o ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Fux negou pedido de suspensão de pagamento de auxílio-moradia a juízes que moram na mesma cidade em que estão lotados. O pleito foi feito pelo coordenador-geral do Sindicato dos Servidores da Justiça de 2ª Instância do Estado de Minas Gerais (SINJUS-MG), Wagner Ferreira, por meio de uma ação popular que completou mais de dois anos de tramitação. Deste modo, os magistrados de todo o País poderão continuar recebendo o aumento indireto de remuneração sob a rubrica de “indenização”. Pelos cálculos da ONG Contas Abertas, o valor gasto com esse penduricalho já passou dos R$ 4,5 bilhões.

Na ação popular, Wagner Ferreira questionou que a natureza do auxílio-moradia é indenizatória e, portanto, se destina a compensar as despesas extraordinárias efetuadas no exercício do cargo. Entretanto, no caso dos auxílios-moradia concedidos a juízes, desembargadores, promotores, procuradores, conselheiros e procuradores de contas e aos próprios ministros do Supremo não é preciso comprovar despesas com moradia. O dirigente do SINJUS-MG ressaltou ainda que até mesmo juízes que têm residência própria na cidade em que trabalham podem requerer o benefício.

“O auxílio-moradia pago aos membros do Judiciário brasileiro, de forma indiscriminada e acintosa, se tornou um aumento de salário indireto. Nos últimos dias, a presidente do STF, Cármen Lúcia, veio a público dizendo que vai coibir os supersalários e pedindo transparência nos tribunais. Entretanto, essa decisão, vinda de um membro do próprio Supremo, contraria todo o discurso”, afirma Wagner Ferreira.

Para se ter uma ideia do que representa o auxílio-moradia para os membros do Judiciário e dos tribunais de contas, a ONG Contas Abertas fez os cálculos considerando o valor mensal de R$ 4,3 mil pagos para mais de 17 mil magistrados e quase 13 mil procuradores do Ministério Público Federal desde setembro de 2014. O resultado foi de R$ 4,5 bilhões. Como base de comparação, o orçamento elaborado pelo governo federal para 2018 prevê investimento de R$ 1,9 bilhão no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Ou seja, menos da metade do valor já recebido em auxílios-moradia.

O benefício foi concedido a toda magistratura brasileira em setembro de 2014, pelo mesmo ministro Fux, por meio de liminares, quando padronizou o valor de R$ 4.377. A decisão gerou um efeito cascata e foi estendida a todos os membros do Ministério Público e dos tribunais de contas do País.

A ação popular foi ajuizada contra o Conselho Nacional de Justiça, a União, todos os estados e todos os tribunais de Justiça do País. Em sua decisão, datada de 5 de dezembro de 2017, o ministro Luiz Fux indeferiu o pedido, sob o entendimento de que ação popular não é cabível ao STF, além de não ser o meio adequado para contestar decisões judiciais.

Diante do indeferimento, o autor da ação e dirigente do SINJUS Wagner Ferreira já prepara recurso com o intuito de que a matéria seja submetida ao Plenário do Supremo Tribunal Federal.

Notícias relacionadas

penduricalhos Fux e o auxílio-moradia segunda-feira, 11/12/17 15:37 Ao julgar um pedido de suspensão do pagamento de auxílio-moradia a todos os juízes, o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), deixou de lado a questão do mérito e decidiu com argumentos meramente formais Ao julgar um ... leia mais
magistrados Dúvidas sobre ‘penduricalhos’ dos juízes segunda-feira, 11/12/17 12:39 O Conselho Nacional de Justiça deverá tratar nesta semana da transparência nas remunerações dos magistrados. Pode ser uma oportunidade para esclarecer dúvidas sobre a controvertida questão das gratificações extraordinárias, os chamados “penduricalhos, e eliminar controvérsias registradas na imprensa. Na ... leia mais
Benesses para juízes CNJ terá que autorizar verbas não previstas na Loman segunda-feira, 04/12/17 11:52 Qualquer verba remuneratória ou indenizatória não prevista na Lei Orgânica da Magistratura Nacional (Loman) só poderá ser recebida por juízes após autorização do Conselho Nacional de Justiça. Esta decisão foi estabelecida pelo Provimento 64, publicado nesta sexta-feira (1º/12) pela ... leia mais

Últimas notícias

ver mais
ARTIGO Qualidade de vida das pessoas com perda de memória quarta-feira, 21/02/18 08:32 Precisamos manter nosso cérebro sempre ativo para que nossa memória não falhe ao ponto ...
NÚCLEO DE APOSENTADOS REUNIÃO DO NAP ABORDA PREVIDÊNCIA E GESTÃO DO SINJUS terça-feira, 20/02/18 19:37 Os impactos da Reforma da Previdência foram discutidos na última reunião do Núcleo de ...
DESCASO IPSEMG: USUÁRIOS E FUNCIONÁRIOS REIVINDICAM MELHORIAS terça-feira, 20/02/18 18:49 Diante do descaso com que vem sendo tratado o Instituto de Previdência dos Servidores ...

Convênios

ver mais
Top