ARTIGO

Nomes, como recordá-los?

sexta-feira, 19/05/17 12:54

Umas das primeiras queixas que ouço das pessoas nos encontros de Oficina de Memória que ministro é não conseguirem lembrar nomes dos outros, mesmo que os conheça por mais tempo. Isso me levou a escrever este texto na tentativa de auxiliá-los a memorizar nomes. Quem nunca passou pelo constrangimento de ser apresentado a alguém e não saber o nome daquela pessoa alguns minutos depois?

Primeiramente, devemos saber quais são as fases da memória. A primeira fase é a percepção, fixação ou registro; a segunda se chama retenção (conservação) e a terceira evocação (recuperação). Só podemos falar que esquecemos aquilo que foi memorizado, registrado e não conseguimos recuperar mais. Em relação aos nomes, o que é mais comum acontecer é ter uma falha na atenção. Ou seja, por falta dela, a pessoa nem percebeu o nome dito e não fixou, não houve registro na memória. O que nos leva a entender que o problema está mais na atenção do que na memória em si. A memória precisa da atenção para ocorrer de maneira satisfatória. Abaixo listo cinco passos para auxiliar a recordar nomes.

Quando somos apresentados a alguém o primeiro passo é concentrar e focar no nome que será dito e, logo em seguida, associar o nome dessa pessoa com o de outra que conhece. Associe também a inicial do nome com algum adjetivo, como por exemplo: se a pessoa se chamar Diana, associe com a palavra dedicada, pois começa com a letra “D”.

O segundo passo – muito importante para se gravar um nome na memória de alguém que acabou de conhecer -, é repeti-lo várias vezes na primeira conversa assim que se é apresentado. Ouvir o nosso nome é sinal de que a pessoa está atenta e interessada em conversar conosco.

O terceiro passo, que funciona muito bem, é comentar sobre o nome apresentado, lembrando-se de algo, como por exemplo: “Muito prazer Rita! Seu nome é de cantora, mas você não se parece com ela.” Uma comparação com alguém famoso nos remete à imagem daquela pessoa que será um recurso visual para recordar o nome posteriormente.

O quarto passo é conhecer mais sobre a pessoa, perguntar onde mora, onde trabalha e se estuda, mas sempre repetindo o nome dela na conversa. Essas informações auxiliam a lembrar do nome futuramente, pois criaremos uma imagem mental do cotidiano daquela pessoa e, assim, as associações facilitariam o resgate do nome. Isso ajuda muito quando estamos numa festa e somos apresentados a várias pessoas ao mesmo tempo. É completamente normal se esquecer de alguns nomes neste tipo de ocasião, principalmente se não tivermos tempo para conversarmos um pouquinho com cada uma delas naquele momento. Numa festa existem muitos estímulos que desviam nossa atenção e a torna mais dispersa.

O quinto e último passo é não entrar em pânico caso não consiga se lembrar de jeito nenhum o nome da pessoa. Pergunte com tranquilidade. Diga que deu um “branco”, por exemplo. É muito comum esquecer nomes quando não temos o hábito de conversar falando o nome da pessoa ou quando não convivemos com ela. Não se sinta constrangido e treine sempre que possível os passos citados acima. Nossa memória precisa de treinamento constante!

Débora Guizoli

Psicóloga (CRP 04/31433)

Instrutora de Oficina de Memória

Especialista em Gerontologia pela PUC/MG

debora@memoriaativa.com.br

www.memoriaativa.com.br

Débora Guizoli

É psicóloga, com pós-graduação em Gerontologia pela PUC Minas. Atua como Instrutora de Oficina de Memória no SINJUS-MG. Possui experiência com trabalhos em grupo focados em Estimulação Cognitiva e Desenvolvimento Humano.

Top