Diga não ao auxílio-moradia é uma campanha encabeçada pelo SINJUS com o intuito de denunciar a imoralidade por trás da decisão do Supremo Tribunal Federal que concedeu o pagamento de uma “ajuda de custo aos magistrados” para arcar com despesas relativas à moradia. A contradição está no fato de que esse “penduricalho” foi criado a título de verba indenizatória, mas é concedido também àqueles que possuem residência própria na localidade onde atuam. Essa denúncia foi feita por meio de Ação Popular, ajuizada no STF em 2015, por um dos dirigentes do Sindicato, Wagner Ferreira.

Situação atual A Ação Popular 2028 com pedido de liminar (de autoria do coordenador-geral do SINJUS-MG, Wagner Ferreira) que pede a suspensão imediata dos auxílios-moradia para os magistrados de todo o País já têm residência onde trabalham está em tramitação no STF. Atualmente, juízes e desembargadores recebem a ajuda de R$ 4,3 mil mensais livre de impostos, independentemente de onde vivem e trabalham.

Últimas notícias

auxílio-moradia TJRN paga R$ 40 mi de auxílio-moradia retroativo quinta-feira, 05/10/17 11:39 Notas foram liquidadas em 2 de outubro. Órgão não se manifestou O Tribunal de ...
OPINIÃO Liminares sobre auxílio-moradia comemoram três anos terça-feira, 12/09/17 12:19 Por Pablo Bezerra Luciano Há três anos, em 15 de setembro de 2014, o ministro ...
LDO 2018 Ministério Público resiste ao fim do auxílio-moradia sexta-feira, 18/08/17 11:37 Mesmo com dispositivos contrários ao auxílio-moradia descritos na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de ...
COBERTOR CURTO LDO 2018 restringe pagamento de auxílios a magistratura e MP quinta-feira, 10/08/17 15:54 A Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2018 sancionada nesta quarta-feira (9/8) restringiu, mais uma vez, a ...