TEORIA E PRÁTICA

Juízes preveem não aplicar reforma trabalhista como foi aprovada

terça-feira, 12/09/17 12:02

Maior alteração da Consolidação das Leis do Trabalho desde sua criação, a Reforma Trabalhista (Lei 13.467/17), que passará a valer no dia 11 de novembro, poderá não ser aplicada exatamente como foi aprovada. Magistrados, procuradores e advogados disseram durante audiência pública nesta segunda-feira (11/9), na Subcomissão Temporária do Estatuto do Trabalho, que a norma está “contaminada” por inúmeras inconstitucionalidades e retrocessos.

Entre os pontos considerados inconstitucionais, está a prevalência do negociado sobre o legislado, princípio central da reforma, que, na avaliação de participantes do debate, contrariaria o artigo 7º da Constituição Federal.

Como a reforma trabalhista é uma lei ordinária, magistrados afirmam que ela não poderá se sobrepor a direitos e garantias assegurados pela Constituição nem tampouco violar convenções globais das quais o Brasil é signatário.

“Fizemos um juramento de julgar e vamos aplicar a lei ordinária que aprovou a reforma trabalhista, mas não vamos aplicá-la isoladamente. É uma lei trabalhista que se insere à luz da proteção constitucional e à luz da legislação internacional”, afirmou a ministra do Tribunal Superior do Trabalho Delaíde Arantes.

Pressa não bem-vinda 
Apresentado em dezembro pelo governo federal, o projeto de reforma levou sete meses para virar lei. Por se tratar de um tema complexo, a reforma trabalhista deveria ter passado por um debate mais amplo na opinião dos participantes do debate.

O texto sofreu mudanças na Câmara dos Deputados, mas não foi modificado no Senado após um acordo com o Palácio do Planalto. Em carta lida pelo líder do governo, senador Romero Jucá (PMDB-RR), o presidente Michel Temer comprometeu-se a editar uma medida provisória para modificar alguns pontos da reforma, como a questão que envolve a não obrigatoriedade do imposto sindical e a permissão do trabalho de gestantes e lactantes em condições insalubres.

“Um projeto como esse não pode prescindir de um debate amplo. Não é admissível que tenhamos um rito legislativo como nós tivemos nesta Casa”, criticou o advogado trabalhista Luis Carlos Moro. Com informações da Assessoria de Imprensa do Senado. 

Fonte: Conjur/Senado

Últimas notícias

ver mais
CONTADOR PROPOSTA DOS AUXÍLIOS ESTÁ PARADA HÁ 378 DIAS NO TJMG terça-feira, 19/09/17 17:43 No início de setembro do ano passado, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais ...
RODA DE CONVERSA DEBATE: SOFRIMENTO NO TRABALHO E SUAS CONSEQUÊNCIAS terça-feira, 19/09/17 17:26 Em algum momento da vida, você já deve ter vivenciado uma situação como essa: ...
REFORMA TRABALHISTA Reação de juízes contrários à reforma trabalhista gera incertezas terça-feira, 19/09/17 12:28 A reforma trabalhista corre o risco de perder força nos tribunais. A menos de ...

Convênios

ver mais
RG Radiografias Radiografias Buritis . BH (31) 998 922 205 rgradiografias.com.br 20% ver mais
Faculdade Unyleya Graduação / Pós-Graduação Funcionários . BH (31) 3646 4197 www.unyleya.edu.br 10% a 54% ver mais
Totallys Odontologia Cruzeiro . BH (31) 3223-9779 www.totallys.com.br 15% a 30% ver mais
Samba Vacation Club Clubes Itabirito . Minas Gerais (31) 3888 6161 www.sambahoteis.com/fidelidade 15% ver mais
CLUBE DA BELEZA Salão de Beleza Funcionários . BH (31) 3222-8464 http://migre.me/wHZFS Até 60% ver mais
iYoga-BH Yoga Centro . BH (31) 3141 1779 www.institutodeyogabh.com.br 20% ver mais
Top