GESTÃO

GT NÃO SUPRE A NECESSIDADE DO COMITÊ DE SAÚDE NO TJMG

terça-feira, 30/01/18 17:59

Na edição do dia 23/1 do Diário do Judiciário, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) publicou a Portaria Conjunta Nº 711/PR/2018, que constituiu um grupo de trabalho (GT) para discutir a saúde dos servidores e magistrados. Contudo, o Sindicato dos Servidores da Justiça de 2ª Instância do Estado de Minas Gerais (SINJUS-MG) alerta que o instrumento adequado para instituir a política de saúde dentro do TJMG é o Comitê Gestor Local de Saúde. O temor da entidade é de que o GT seja, na verdade, uma estratégia para postergar a criação do Comitê.

Conforme os artigos de 8 a 12 da Resolução 207/2015, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), os tribunais deveriam criar, em 90 dias, comitês com a participação das administrações e de entidades representativas de magistrados e servidores. O objetivo seria o fomento de uma política de atenção integral à saúde. Entretanto, no TJMG, essa diretriz vem sendo simplesmente descumprida.

“O Comitê Gestor Local de Saúde prevê uma estrutura ampla, mais autônoma e com atribuições claras e objetivas dentro do organograma do Tribunal. Ao optar pelo GT, o Tribunal dá uma péssima sinalização. O que se espera é que dentro desse grupo os trabalhos sejam ágeis para instituir o comitê ainda no primeiro semestre deste ano”, diz o diretor de Assuntos Sociais, Culturais e de Saúde do SINJUS, Felipe Rodrigues.

Ainda em 2015, foi solicitado o cumprimento da Resolução 207 ao então presidente do TJMG, desembargador Pedro Bitencourt, que chegou a pedir os nomes dos representantes do SINJUS. Mesmo com as indicações feitas pelo Ofício Nº 30/2016, até o momento, o Sindicato não teve nenhum retorno, apesar de também ter reiterado o pleito ao atual presidente do Tribunal, Herbert Carneiro, pelo Ofício Nº 133/2017.

Para se ter uma ideia de como a falta de uma política preventiva de saúde afeta o servidor, segundo o Estudo de Absenteísmo do TJMG referente a 2016 (dados mais recentes), naquele ano, 42,3% de todos os magistrados e servidores tiveram que sair de licença para tratar da própria saúde. Isso significou um custo de R$ 69,7 milhões para o Tribunal.

“Estamos no fim de mais uma gestão. Por que não se criar de uma vez o Comitê Gestor Local de Saúde e cumprir a resolução?  Passa a impressão de que o GT é um ‘ganha tempo’ para empurrar essa importante demanda para a futura gestão”, questiona o coordenador-geral do SINJUS, Wagner Ferreira.

O SINJUS-MG está atento ao cumprimento da Resolução 207/2015 do CNJ e caso ela não seja implementada de fato acionará o CNJ para as devidas providências.

Notícias relacionadas

ARTIGO Licença-saúde: saiba como proceder sexta-feira, 29/09/17 12:47 A licença para tratamento de saúde (ou simplesmente licença-saúde) é direito dos servidores do TJMG assegurado nos artigos 158 e seguintes do Estatuto dos Servidores Públicos de MG (Lei nº 869/1952). Ela garante aos servidores estaduais o afastamento do ... leia mais
SINJUS cobra do TJMG a criação do Comitê Regional de Saúde segunda-feira, 22/02/16 14:00   O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) instituiu a Política de Atenção Integral à Saúde de Magistrados e Servidores do Poder Judiciário, por meio da Resolução 207/2015, em outubro passado. Entre as diversas inovações está a determinação de criação de Comitê Gestor Local com garantia de participação das entidades ... leia mais

Últimas notícias

ver mais
ARTIGO Qualidade de vida das pessoas com perda de memória quarta-feira, 21/02/18 08:32 Precisamos manter nosso cérebro sempre ativo para que nossa memória não falhe ao ponto ...
NÚCLEO DE APOSENTADOS REUNIÃO DO NAP ABORDA PREVIDÊNCIA E GESTÃO DO SINJUS terça-feira, 20/02/18 19:37 Os impactos da Reforma da Previdência foram discutidos na última reunião do Núcleo de ...
DESCASO IPSEMG: USUÁRIOS E FUNCIONÁRIOS REIVINDICAM MELHORIAS terça-feira, 20/02/18 18:49 Diante do descaso com que vem sendo tratado o Instituto de Previdência dos Servidores ...

Convênios

ver mais
Top