CBI DENUNCIA

CAOS NO IPSEMG DEIXA BENEFICIÁRIOS SEM ATENDIMENTO

segunda-feira, 05/02/18 17:07

Cidades sem pronto atendimento, greve de médicos, falta de pagamento a unidades de saúde credenciadas, suspensão de convênios, cancelamento de cirurgias e falta de compromisso da administração. Esse é caos em que se encontra o Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais (Ipsemg) e o resultado não é outro que não a precariedade de serviço e a desumanidade com os beneficiários que necessitam dos serviços de saúde. Há meses denunciando a má gestão no Instituto, o Conselho de Beneficiários do Ipsemg (CBI) cobra agora a saída do presidente do Ipsemg, Hugo Vocurca.

Diante do quadro de calamidade em que se encontra a rede de atendimento do Ipsemg, o CBI marcou uma reunião com o presidente e representantes do Instituto para analisar os problemas recorrentes e buscar soluções. Entretanto, mais uma vez, demonstrando o descaso com a situação, o presidente Hugo Vocurca não compareceu ao encontro, reforçando a postura desrespeitosa apresentada anteriormente (leia mais).

“A ausência constante do presidente nas reuniões deixa clara a falta de administração e respeito ao CBI, órgão legalmente constituído para representar os donos do Ipsemg e para fiscalizar o Instituto em busca de serviços de qualidade e eficiência”, ressaltou o presidente do CBI e diretor de Assuntos Jurídicos do Sindicato dos Servidores da Justiça de 2ª Instância do Estado de Minas Gerais (SINJUS-MG), Alexandre Pires.

Assim, o Ipsemg foi representado pelo seu diretor de Saúde, José Luiz de Almeida Cruz, e pelo assessor-chefe da Assessoria de Políticas e Regulação em Saúde (APRES), Cristiano Gonzaga da Matta Machado. Na reunião, o CBI voltou a cobrar providências para a falta de pagamento aos hospitais credenciados da capital e interior, o que tem provocado a suspenção dos atendimentos e a superlotação do Hospital Governador Israel Pinheiro (HGIP), em Belo Horizonte.

No interior, a situação é especialmente preocupante. Em Uberlândia, recentemente houve o credenciamento do Uberlândia Medical Center (UMC), depois de anos que a cidade ficou sem nenhum hospital que atendesse pelo Ipsemg. Contudo, os beneficiários do município já foram surpreendidos com a suspensão desse atendimento por falta de pagamento. Em Lavras e Varginha o atendimento também está paralisado.

Durante a reunião, a percepção dos membros do CBI é de que o Ipsemg está perdendo receitas depois que o dinheiro advindo das contribuições dos usuários deixou de ir para o caixa do Instituto para ser direcionado ao caixa único do governo de Minas Gerais. Pela regra, é descontado 3,2% dos salários dos servidores, além da coparticipação paga pelo beneficiário em todo procedimento realizado, e o Estado deveria entrar com uma contrapartida de 1,6%. Entretanto, parece que até mesmo os diretores do Ipsemg perderam o controle sobre essas finanças.

“As contas estão obscuras e nem mesmo sabemos se o Estado está depositando a parte dele. No Tribunal de Justiça de Minas Gerais temos visto que o governo está retendo os repasses dos duodécimos. Isso também está acontecendo com as verbas dos municípios. Mas, se isso está acontecendo no Ipsemg, significa um verdadeiro atentado contra a saúde e a dignidade dos servidores”, alertou Alexandre Pires. Por isso, o CBI vai marcar uma reunião diretamente com o secretário de Estado de Fazenda, José Afonso Bicalho.

Cirurgias no HGIP

Durante reunião realizada em dezembro, o CBI cobrou do diretor de Saúde, José Luiz, providências para o problema das cirurgias interrompidas por falta de anestesistas no HGIP. No encontro da semana passada, o representante do Ipsemg garantiu que já estão sendo contratados novos anestesistas, por meio de convênio, a fim de retomar os procedimentos no início de fevereiro (05/02). A estimativa é de que aproximadamente 7.000 cirurgias estejam pendentes.

Próximas ações

No dia 7/2, membros do CBI irão à Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) debater sobre o caos do Ipsemg e exigir providências dos parlamentares do grupo da minoria, cujo presidente é o deputado Gustavo Valadares (PSDB). Já no dia 20/2 será realizado um protesto com a distribuição de informativo aos beneficiários na porta do HGIP. O objetivo é denunciar dos desmandos da atual gestão e pressionar pela saída do presidente Hugo Vocurca.

Notícias relacionadas

saúde Ipsemg cancela cirurgias por falta de anestesistas quarta-feira, 22/11/17 12:01 O Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais (Ipsemg) cancelou, por tempo indeterminado, cirurgias eletivas (agendadas) por falta de anestesistas. O aposentado Alcíades Fraga, 72, sofre com uma hérnia na virilha e é um dos pacientes ... leia mais
SAÚDE PÚBLICA CBI DENUNCIA CAOS NO IPSEMG DE UBERLÂNDIA sexta-feira, 23/06/17 18:36 Nessa quarta-feira, dia 21/6, o diretor de Assuntos Jurídicos do SINJUS-MG e presidente do Conselho de Beneficiários do Ipsemg (CBI), Alexandre Pires, participou de audiência pública na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) que debateu a falta de atendimento ... leia mais
SAÚDE CBI PROTOCOLA OFÍCIO COBRANDO PROVIDÊNCIAS DO IPSEMG terça-feira, 09/05/17 16:26 Após várias tentativas frustradas de tentar solucionar problemas no atendimento do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais (Ipsemg), o Conselho de Beneficiários do Ipsemg (CBI) protocolou ofício direcionado ao presidente do Instituto, Hugo Vocurca Teixeira, ... leia mais

Últimas notícias

ver mais
REUNIÃO AMPLIADA SERVIDORES DEFINEM PAUTA DE REIVINDICAÇÕES UNIFICADA sábado, 14/07/18 13:10 Os servidores das 1ª e 2ª Instâncias do Judiciário mineiro aprovaram, por unanimidade, neste ...
É AMANHÃ! REUNIÃO AMPLIADA VAI DEFINIR PAUTA UNIFICADA sexta-feira, 13/07/18 14:35 Nos últimos anos, a situação dos servidores do Judiciário mineiro ficou insustentável. Acúmulo de ...
vacinações Especialistas apontam riscos em movimento antivacina sexta-feira, 13/07/18 12:27 Duas entidades representativas da área de saúde apontam que a falta injustificada de vacinações ...
Top