auxílio-moradia

Advogado pede ao CNJ que barre paralisação de magistrados

quinta-feira, 08/03/18 13:31

Carlos Alexandre Klomfahs protocolou petição no Conselho Nacional de Justiça insurgindo-se contra ato marcado para o próximo dia 15 e que contou com 81% dos votos dos consultados pela Associação dos Juízes Federais

O advogado Carlos Alexandre Klomfahs pediu, nesta segunda-feira, 5, ao Conselho Nacional de Justiça, para que suspenda a paralisação dos magistrados em defesa do auxílio-moradia. Marcado para dia 15, o ato contou com 81% dos votos dos consultados pela Associação dos Juízes Federais.

Para o advogado, a paralisação é ‘por todo inconstitucional, uma vez que o objetivo da greve não é por direito adquirido, não é por melhoria nas condições do exercício de dever funcional, não se trata de garantia da irredutibilidade de vencimentos (CF, art. 95, III), nem de luta por aposentadoria integral dos magistrados’.

“Por se tratar de serviço público de natureza jurisdicional financiada por toda a sociedade brasileira, a greve por magistrados é proibida por uma interpretação sistemática da constituição, a uma pela inafastabilidade do controle jurisdicional, a duas pelos prejuízos do não recebimento de processos, pedidos ou tutelas de urgência e cautelar nos feitos criminais ou que envolvam situações emergenciais etc., que podem prejudicar de forma irreversível os jurisdicionados”, sustenta.

Klomfahs ainda requer que, se for acolhido o pedido e, portanto, suspensa a manifestação, magistrados que desobedecerem sejam punidos com ‘desconto dos dias parados’ e outras sanções previstas no regimento interno do Conselho Nacional de Justiça.

AUXÍLIO-MORADIA

O fato da presidente do STF, Cármen Lúcia, pautar as ações que discutem o pagamento de auxílio-moradia a juízes foi seguido de uma forte reação por parte da magistratura. Entre as seis ações a serem julgadas no STF estão aquelas em que o ministro Luiz Fux concedeu liminares em 2014 para estender o auxílio-moradia, no valor de R$ 4.378, a todos os juízes do País.

Posteriormente, o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) regulamentou a concessão de auxílio-moradia aos membros do Ministério Público da União e dos Estados. Fux levou três anos para liberar as ações para julgamento, o que só fez no fim de 2017. Desde então, magistrados têm feito pressão pela manutenção do auxílio.

Reportagem publicada pelo Estado mostrou que o Fisco deixa de arrecadar R$ 360 milhões ao ano em razão do tratamento tributário dado ao auxílio-moradia e a outros “penduricalhos” recebidos.

Segundo o presidente da Ajufe, a magistratura vem sendo atacada em função do combate à corrupção, “sem limites”, pela Operação Lava Jato. Para ele, a forma encontrada para punir a Justiça Federal é o ataque à remuneração dos juízes com a não aprovação da “recomposição do subsídio, direito previsto na Constituição Federal, cuja perda já atinge 40% do seu valor real”.

Veloso também diz que houve uma aceleração na tramitação do projeto de alteração da lei de abuso de autoridade, “em total desvirtuamento das 10 medidas contra a corrupção, projeto esse de iniciativa popular”.

Fonte: Estado de São Paulo

 

 

Últimas notícias

ver mais
REPOSIÇÃO INFLACIONÁRIA STF ADIA DEBATE SOBRE DATA-BASE PARA PRÓXIMA SEMANA sexta-feira, 22/06/18 15:52 A luta não para. Prova disso é que os trabalhos da Fenajud (Federação Nacional ...
PROTESTO SERVIDORES OCUPAM BRASÍLIA POR DATA-BASE quinta-feira, 21/06/18 12:36 O Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Federais (Fonasefe) realizou nesta quarta-feira, 20/6 o ...
auxílio moradia Com falha na conciliação sobre auxílio-moradia, ministros defendem julgar caso quinta-feira, 21/06/18 12:21 Ao longo de três meses, a AGU buscou solução para benefício que tem impacto ...
Top